PARTICIPANTES DA CARAVANA

vêm dos campos da compreensão, agricultura, música, artesanato, pintura, informática, cinema, cozinha, teatro, organização, dança, tecnologia, poesia.

AS PESSOAS SÃO PROCURADAS COMO CONTRIBUINTES,

– cuja utopia é o equilíbrio nas condições da vida humana,

– que lutam por relações em que ninguém domina os outros,

– que, na preparação da Caravana, cooperam na procura das questões que formulam as possíveis condições materiais e ideais para uma vida digna dos seres humanos,

– e que, na realização da Caravana, colaboram no processo de tentativa de responder a estas questões;

– que pretendem desenvolver propostas de modelos de sociedade sem poder que possam ser implementados em todo o mundo,

– e experimentar estes modelos de um mundo equilibrado uns com os outros, a fim de ganhar experiência das suas vantagens e desvantagens;

– que consideram um desafio pensar em modelos económicos orientados para a utilidade e não para o lucro,

– que desejam não competir uns contra os outros, mas inspirar uns aos outros,

– que querem registar as suas experiências em documentações e realizações artísticas e divulgar os resultados deste trabalho em todo o mundo nos meios de comunicação social,

– que estão curiosos sobre experiências desconhecidas,

– que não se deixam desviar do seu caminho pelo inesperado,

– que têm um sentido de humor tanto em relação ao ganho como à perda,

– que não querem fazer proselitismo da sua visão política ou religiosa do mundo,

– mas, pelo contrário, consideram que é enriquecedor colocar os seus próprios valores em discussão;

– que estão preparados para entrar em novo território social, artístico e culinário,

– que participam, mesmo que tenham tido experiências de fracasso colectivo,

– que estão dispostos a fazer o tremendo esforço, a incerteza do sucesso ou do fracasso,

– que já não pode suportar a condição de uma humanidade que se suicida, no preciso momento em que poderia finalmente realizar uma vida decente para todos.