Propostas a partir das quais os grupos de trabalho criam modelos que são discutidos e publicados por todas as partes interessadas.

 

– Formação de repúblicas de conselheiros:

Estudo da Comuna, Kronstadt e do Gueto de Varsóvia, modelos do local ao global. (CW)

 

– Criação de um tribunal internacional de justiça

para crimes económicos, por exemplo: construção de dispositivos com autodestruição incorporada, produção de alimentos contaminados com agentes químicos, interessando-se, etc. (CW)

 

– Democracia solta – a revolução da democracia:

A palavra revolução vem do latim e é composta pelos elementos „re“ = „back“ e „volvere“ = „to turn“. Revolução, portanto, significa „voltar atrás“ em alemão. A revolução não significa que o velho é varrido e algo completamente novo é colocado no seu lugar, mas sim que as condições erradas são voltadas para as condições originais certas. Foi assim que os revolucionários franceses de 1789 se definiram: substituir o poder da aristocracia francesa, que já não podia ser justificado por nada, voltando-o para as estruturas da democracia romana.

Talvez os revolucionários franceses não tenham ido suficientemente longe com isto. A democracia não foi inventada pelos romanos, mas sim pelos gregos. E mesmo nestes começos, as primeiras abordagens rapidamente se transformaram nas formas que hoje, na sua forma Facebook e Twitter, só podem ser descritas como uma caricatura da democracia e já não têm nada a ver com a ideia do domínio do povo, como a democracia literalmente significa.

O elemento decisivo da democracia grega original não foi a eleição, mas o sorteio. Após uma pré-selecção determinada por critérios claramente regulamentados, estava disponível um certo número de cidadãos, entre os quais o lote decidiu quem tinha de ocupar um cargo político durante uma legislatura. O factor decisivo foram períodos legislativos curtos e nenhum segundo mandato.

Já no século XVIII, o filósofo francês Montesquieu descreveu a democracia baseada em eleições como „aristocrática“; apenas a democracia baseada no sorteio de lotes era verdadeiramente democrática. As cidades-estado italianas praticaram isto até ao século XIV. Os últimos resquícios deste entendimento da democracia só podem ser encontrados hoje em dia entre os jurados da magistratura.

Isto ainda hoje é ensinado nas escolas de gramática humanista. Nos anos sessenta do século passado, uma geração inteira rebelou-se porque a afirmação de condições democráticas pouco tinha a ver com as condições reais. No entanto, este movimento não conseguiu mudar nada, talvez por ter uma compreensão errada da revolução.

Se a actual crise global deixou uma coisa clara, é a falência deste espectro assassino da democracia. Quer se trate da aristocracia monetária de Trump ou da monarquia retro da Baviera, nunca Montesquieu foi tão flagrantemente vindicado. Um momento mais apropriado para pôr em prática a sua admoestação e voltar às raízes é dificilmente imaginável.

Numa altura em que cada novo chama-se „revolucionário“, é mais do que tempo de voltar o conceito de revolução ao seu significado original. Actualmente, mesmo o cidadão mais bem-intencionado já não pode descartar a fraude estrutural desta forma invertida de democracia. Revolução hoje em dia significa pôr a democracia de novo em pé: Duas câmaras do parlamento, cada uma constituída por representantes eleitos dos grupos de interesse social relevantes, por um lado, e cidadãos escolhidos por sorteio, por outro; isto com períodos legislativos o mais curtos possível e não repetibilidade dos cargos políticos.

Para esta revolução, nenhuma guilhotina, nenhum terror, nenhuma expropriação são necessários, apenas uma emenda constitucional, submetida por advogados às comissões de petição dos respectivos países, na Suíça, por referendo.

Finalmente, haveria um fim à ridícula postura partidária, a aparência de galinha até de mulheres políticas, os estúpidos cartazes eleitorais.

Finalmente, um fim à conversa abstracta sobre abundância sustentável e aventura protegida por pensões, esta treta certificada com medalhas de ouro, este parque ecológico de bem-estar sobre o sangue e ossos de escravos.

Os revolucionários franceses dispararam contra os relógios para parar o tempo; hoje os relógios devem ser mudados para a era das perguntas concretas:

Automóveis particulares, sim ou não; publicidade, sim ou não; fronteiras, sim ou não.

Mesmo que estas questões não sejam respondidas da forma que se deseja, o resultado, como não manipulado, seria uma decisão democrática – e não o fim de todos os dias.

Acabaram-se os líderes, gurus e pregadores. De volta à democracia primitiva. Por uma revolução no sentido original da palavra.

Agora ou nunca. Até ao fim ou nada. Pôr o nosso dinheiro onde está a nossa boca.

Christof Wackernagel

 

– Uma declaração de todos os fabricantes de automóveis do mundo:

„de agora em diante, já não nos vemos como empresas de automóveis a competir pelo lucro, mas sim como especialistas em transportes e fabricantes que competem para produzir os meios de transporte mais simples, mais eficientes, mais duráveis, mais ecológicos e mais baratos em todas as formas, pequenos, grandes, para longas distâncias e de proximidade, envolvendo-nos assim numa competição incrivelmente criativa através da qual iremos produzir as maiores coisas – não apenas automóveis – que alguma vez existiram. (CW)

 

– Abolição da publicidade:

Modelos de uma estrutura de informação global que permite a todos ter toda a informação de que necessitam sobre os produtos e ofertas existentes, ao mesmo tempo que evita que lhes seja imposta.

 

– Abolição da herança:

Definição de „coisas pessoais“ que são transmitidas e „bens comuns“ que são transferidos para a comunidade. Catálogo de critérios de distribuição, que também se aplica à definição do limite máximo de bens (CW).

 

– União de religiões:

Assumindo um só Deus, ele criou as diferentes religiões para dar a cada ser humano a oportunidade de comunicar com ele à sua própria maneira.

Mas as pessoas não compreenderam isto até hoje: as religiões lutam umas contra as outras em vez de se unirem.

As religiões naturais, Budismo, Confucionismo, Judaísmo, Cristianismo, as religiões espiritualistas individuais e o Islão estão a unir-se numa só religião de um só Deus de um só mundo. (CW)

 Estes são apenas exemplos iniciais.